O que fazer depois do doutorado?

A um tempo atrás escrevi aqui no blog, que uma pessoa deve pensar muito bem antes de começar um doutorado. Pois aqui estou na minha fase final do doutorado. Já consegui publicar 2 journals que estão indexados pelo JCR (Journal Citation Report) e alguns papers em congressos internacionais. Mas de que serve isso? Quais as minhas chances depois de um doutorado?

Bem… como eu já comentei, não gosto de dar aula.  Minha única saída é trabalhar em empresas de R&D (Research and Development), ou seja, trabalhar com pesquisa que é o que eu realmente gosto. Aqui em Madrid tem bastante e minha idéia é entrar em uma delas. Qual o salário médio que pagam para um Staff Researcher nessas empresas? Em torno de 2000 a 3000 euros por mês, dependendo da sua experiência. É pouco? É muito? Com 3000 euros dá pra viver bastante bem aqui na Espanha e ainda viajar 1 vez por mês sem nenhum problema. Convertendo isso em reais, dá pouco mais de R$7000,00 com a cotação de 2.35 que é justamente o que um professor contratado recebe no Brasil (salário bruto).

Agora cheguei onde queria chegar! É simplesmente ridículo que um professor contratado doutor no Brasil ganhe apenas R$7.000 reais (brutos) enquanto um funcionário público que trabalha de 07:00 a 13:00 ganhe 10 mil reais. Não quero menosprezar quem fez concurso público ou não, e sei a dificuldade que é passar, mas o salário de um professor deveria ser no mínimo 10 mil reais. Afinal, é o professor universitário que começa a direcionar o aluno para o futuro. É na faculdade, que você começa a ver qual caminho seguir na vida.

Infelizmente, com esse salário de professor eu não volto ao Brasil. Confesso que poderia contribuir bastante no aprendizado de novos cientistas e engenheiros, mas com esse salário, fico por aqui. Essa é a famosa fuga de cérebros onde o governo brasileiro não apóia os pesquisadores do país e todos vão para o exterior em busca de mais apoio e reconhecimento. Eu sou mais um e apóio quem também o faz.

Voltando ao tema do post, o que farei depois do doutorado? Farei duas coisas e em paralelo. A primeira é entrar em uma grande empresa de pesquisa (seja na Espanha ou em qualquer lugar do mundo) e a segunda é empreender. Conseguindo as duas, posso considerar que sou uma pessoa realizada e terei alcançado meus objetivos.

O futuro da Internet Móvil by Google

Mobile Internet

Mobile Internet

Todos sabemos que Google é o lider quando referimos a mecanismos de buscas na Internet. Sabemos também que desde Google foi criado, a forma de buscar informações praticamente não mudou, ou seja, estamos parados no tempo. Atualmente, temos pouquíssimas opções customizadas para realizar qualquer busca de informação que seja. Entretanto, Google já poderia estar pensando em mudar totalmente a forma de buscar informações.

A notícia vem de um blogueiro japonês, e pra falar a verdade, eu fiquei realmente impressionado. No futuro teremos inúmeras opções de busca: através de audio, buscas semânticas, imagens, videos, reconhecimento de estruturas, OCR, etc.

O mais interessante de tudo é que vamos deixar de utilizar a Internet somente em casa ou no trabalho e passaremos a ser usuários móveis, utilizando dispositivos móveis altamente sofisticados que permitirão total interatividade, conexão através de vários tipos de redes (Wi-Fi, Wi-Max, 3G, Bluetooth, LTE, etc). Além disso, cada usuario terá uma resposta diferente ao fazer uma busca, dependendo de sua localização geográfica.

Recomendo muito ver a notícia original e todas as possibilidades que o futuro da Internet Móvil vai proporcionar a todos nós. Realmente fantástico.

O fracasso das aplicações para celulares

Web 2.0 

Não tem como negar. Hoje em dia não existe nem um software para celular que seja um sucesso em todo o mundo. Hoje não existe modelo de negócios para desenvolvimento de aplicações para celular. Tudo não passa de um bom marketing de grandes empresas que prometem um mundo cada vez mais móvel e que na verdade, é uma grande mentira.

Vamos ao teste. Qual o software para celular mais baixado do mundo? Tem alguma idéia? Em primeiro lugar está o navegador Opera Mini e em segundo lugar o Google Aps (Gmail, Google Maps, Google Docs, YouTube, etc). Pronto. Nem existe terceiro lugar porque não existem mais aplicações para celulares que realmente fazem sucesso.

Tudo começou mais ou menos em 1998, a Palm dominava o mercado com aplicações inovadoras, mas tudo não passou da bolha do mercado de tecnologia. A Palm praticamente sumiu. Em 2007 e 2008 tivemos grande avanços nesse sentido. Primeiro foi a Apple que lançou o “bonitão” Iphone e mudou o conceito de que é um celular e suas possíveis funcionalidades. E nessa última semana, a Apple lançou uma API para quem quiser desenvolver softwares para o Iphone. Segundo a própria Apple, já foram feitos mais de 100.000 downloads de pessoas interessadas. Em segundo lugar temos o Google que em 2007  lançou um sistema operacional para celulares, o Android que também já está fazendo sucesso (750.000 donwloads) e até oferece um prêmio de 10 milhões de dólares para quem desenvolver a aplicação mais interessante para celular.

Ao mesmo tempo que existe tudo isso a disposição dos programadores, eu não consigo ver o porque que não temos nenhuma aplicação decente para celular. Por exemplo, o Brasil tem mais de 120 milhões de celulares para uma população de 180 milhões de pessoas. São 65 celulares para cada 100 habitantes. O que esse povão todo usa? Somente voz? Usam o telefone somente para falar?

O usuário de celular é um bicho estranho. Ele é capaz de pagar R$0,80 centavos por minuto em uma ligação pré-pago mas não tem coragem de comprar um plano para usar dados com medo de pagar centenas de reais para a operadora. Onde está o problema?  Vamos aos dois lados da moeda:

O lado do usuário:
1 – As aplicações para celular estão cada vez mais leves e utilizam cada ves menos informações para não “pesar” no bolso do usuário.
2 – Hoje temos celulares que são praticamente computadores de mão. Temos como exemplo, o Nokia N95 8GB, o Iphone, HTCs, Palms, entre outros. Estes celulares possuem grande poder de processamento, possuem memória, telas de alta definição, Wi-Fi, GPS, etc.

O lado do programador:
1 – Colocar no mercado uma aplicação para celular é uma tarefa complicadíssima. Primeiro, existem N tipos de sistemas operacionais, N tipos de celulares, N tipos e tamanhos de telas. Tudo isso dificulta e muito o desenvolvimento
2 – As operadoras querem tudo. Não querem dividir lucros, não ajudam em nada. Só querem tráfego de dados ($$$) e mais nada.

Tem um artigo bastante interessante de um ex-empregado da Palm e da Apple, no Blog Mobile Opportunity. O que ele fala é que as aplicações para celulares nunca existiram, nunca tiveram modelo de negócios e nunca vão existir. Os programadores estão passando cada vez mais ao que chamamos de programação web para celulares. Ou seja, desenvolver uma página web que seja acessível e customizada para ser visualizada no celular. O interessante disso é que não tem muito segredo. O programador não tem que aprender novas tecnologias, o investimento para desenvolvimento é muito menor e não tem que desenvolver um produto específico para cada celular.

Acho que esses  são os motivo pelo qual existem tão poucas aplicações para celular. Alto custo de desenvolvimento, real necessidade dos usuários e portabilidade para todos os tipos e modelos de celulares e sistemas operacionais.

Como não podemos prever o futuro, eu ainda espero um software ou uma “killer application” para celulares. Ainda está por vir. O mercado a ser explorado é muito grande e as oportunidades existem, mas a olho nú o mercado móvel ainda é um grande buraco negro.

Como ficar rico através da Internet?

money.jpgVocê recebeu o canudo da universidade após 4 ou 5 anos de estudos. Muita matemática, muita programação, pouca prática e muita babozeira. Agora você é um Cientista da Computação ou um Engenheiro da Computação. Ao entrar para o mundo dos informáticos, logo vem o desespero de criar algo e ficar rico. Muita gente já ficou rico criando coisas e você acha que será o próximo criador do YouTube ou Google da vida.

É impressionante como muita gente acha isso dos recém formados em Informática. Pensa que é só entrar em uma garagem e começar a programar algo que em 1 ano já poderá vender por milhões de dólares e aposentar. Calma gente, as coisas não funcionam assim. Aliás, funciona totalmente ao contrário. Quanto maior a pressa de criar algo e ficar rico, mais o dinheiro foge de você.

É muito ruim você formar e ter motivação de sobra para fazer algo e ver que o buraco é muito mais profundo do que você pensava. Eu nem sei quantos mil formam em Ciências da Computação por ano no Brasil, mas sei que uma boa parte dessas pessoas sonha em ficar rica já no primeiro ano. A pressão dos amigos, da sociedade e as vezes até da família faz você pensar: “Porque não criei isso antes?”, “Porque não pensei no Youtube antes?”, “Esse cara criou uma coisa tão besta, eu mesmo faria melhor”. É, a vida é assim, muitos querem mas poucos, muito poucos conseguem.

A verdade é que ficar rico em Informática criando algo inovador e que seja aceito mundialmente é praticamente nula se levamos em conta a quantidade de gente que forma em Informática no mundo todo. E ainda temos que competir com americanos e indianos que são verdadeiros nerds na Informática e nem dormem direito, tudo para ficar rico da noite pro dia.

Conheço um amigo que formou em Informática e desde então fica pensando 20 horas por dia em alguma aplicação ou software para ficar rico. Pensa o dia todo. Pensa, pensa! E nada! Já se passaram 4 anos desde que formou e o máximo que ele criou foi um organizador de fotos online, tipo Flickr do Yahoo. No fim, só ele, eu e mais dois amigos usaram o sistema, por uma semana, depois o mesmo foi abandonado.

Sonhar é bom, sonhar em ficar rico é melhor ainda mas ser um criador do Youtube ou Google da vida não é fácil. Não sou pessimista mas acho que gastar energias para ficar pensando o dia todo em algo inovador é perda de tempo. Algo novo não surge assim do nada, surge quando você está fazendo outra coisa e necessita de algo que não existe. Exemplo: a 10 anos atrás se alguém quisesse comprar um carro tinha que sair á rua para comprar. Alguém viu a necessidade de que ter um classificados online seria uma boa. Então surgiu Webmotors e outros a fim de cubrir as necessidades básicas dos usuários. Pergunta, o cara do Webmotors está rico?  Quantos anos de mercado ele já tem? Quanto ele desembolsou e quanto ele já teve de lucro em sua existência?

Agorinha eu li o depoimento do cara que criou o FON, a maior comunidade do mundo em compartilhar redes Wi-Fi. Leiam a notícia dele e vejam. Nos primeiros anos de empresa, Martin, o criador, teve perdas de 2 millhões de euros mensais até alcançar o break-even, que será no ano de 2008. Mas quem está de fora pensa. “Nossa, o cara já tem mais de 500 mil foneras espalhadas em todo o mundo. Deve estar ganhando rios de dinheiro.” Ver do lado de fora é fácil.

Criar uma start-up em Informática é bastante difícil. A bolha já estourou uma vez em 2000 e seguramente vai estourar de novo muito em breve com projetos web 2.0 que não agregram nada, não tem modelos de negócios e são criados por pessoas que querem enriquecer da noite para o dia.

Portanto, se você quer ficar rico através da Internet, não fique pensando 24 horas por dia em criar algo. Trabalhe, trabalhe muito, porque o único lugar que dinheiro vem antes de trabalho é no dicionário.

PS: Você tem vários amigos formados em Informática. Algum deles é milionário?

Google muda o PageRank

google-lego.jpg 

Não sei se vocês viram, mas semana passada, o Google mudou praticamente o PageRank de todos os sites. A notícia foi publicada em um sem número de sites, e causou uma certa polêmica no mundo de Tecnologia. Em teoria, o PageRank mede a popularidade do site e não sei como eles fizeram um algoritmo para identificar links cruzados, links falsos, links vendidos, etc e a verdade é que mudou tudo. Sites famosos como Wall Street Journal, BBC, etc viram seus PageRanks desabarem na última semana.

A boa notícia de tudo isso é que meu blog pulou de zero para 4 pontos no Page Rank, isso graças as milhares de visitas que tenho. Infelizmente, está complicado manter uma regularidade nos posts, mas tentarei manter uma média de posts já que o mundo de tecnologia não pára nem um segundo, impressionante.  Meu Blog cresceu de 0 para 4 e meu outro site, baixou de 4 para 3. Pra quem ainda não sabe, eu tenho um site de axé e música baiana 🙂 Parece engraçado mas o site Carná me dá bastante axé, alegria e folia!

Eu não acompanhei como foi a repercussão dos PageRanks dos sites mais “badalados” do Brasil, mas vou verificar se alguém fez isso.

Google oficializa Maps no Brasil

googlemaps.jpgFinalmente, a empresa Google finalizou o trabalho com o Google Maps para o Brasil. Agora o serviço está totalmente voltado para o mercado brasileiro. A notícia foi publicada ontem e aconselho a dar uma lida no IDG Now. A grande vantagem do Google liberar a API do Maps para o mercado brasileiro, é que abre um leque de opções impressionante.

Aqui na Espanha, usamos Google Maps pra tudo, é impressionante. Tenho Google Maps no N80 e posso obter N informações, como onde está a farmácia mais próxima, onde tem um parking, qual o posto de combustível mais perto, além de restaurantes, sites especializados, hotéis, etc. No Brasil, o Google já anunciou que tem um sistema de indicações de estabelecimentos apoiado tanto por parcerias com a TeleListas como por acordos de conteúdo fechados com sites de entretenimento e classificados, como Guia da Semana, ObaOba, Basílico, WebMotors, MaisVida e Carro Novo.

Em breve tudo estará baseado em mapas e o Google está dando um grande passo nesse sentido.

Veja os 12 empreendedores brasileiros da web 2.0

money.jpg 

A notícia vem do IDG Now e fala dos 12 maiores empreendedores da web 2.0. A reportagem é bastante interessante e cita os 12 serviços online que fazem mais “sucesso” no Brasil. Dos serviços citados, alguns são bastante utilizados enquanto outros ainda estão em fase beta e não foram lançados ao público.

Veja a lista das 12 empresas brasileiras web 2.0:

Aprex: tem softwares online para organização de contatos, gerenciamento de eventos, formulação de campanhas, armazenamento de dados e ferramenta de e-mails direto do browser. O site foi até citado pela revista Business 2.0 da CNN.

BlogBlogs: indexação de blogs brasileiros. É bastante utilizado, apesar de eu nunca ter utilizado.

Boo-Box: basicamente é um serviço em que você pode comprar através de cliques em fotos. Ou seja, você vê a foto de uma modelo usando óculos e bolsas. Você clica na bolsa e é redirecionado a loja de bolsas.

Camiseteria: esse já leva algum tempo na web e prevê um lucro de 3 milhões de dólares para 2008.

Estante Virtual: interessante projeto que cadastra todos os sebos do país, e claro também oferece a compra de livros pela web.

Ikwa: um projeto que ainda está em fase beta e não foi lançado oficialmente.

Via6: esse é o clone do Digg, do LinkedIn e faz bastante sucesso no país.

VideoLog: esse é bastante interessante. O servió é idêntico ao YouTube, só que foi criado antes. Os donos falam que se morassem nos EUA, hoje estariam bilionários assim comos os donos do YouTube. Hoje, o VideoLog faz parte da UOL.

Bom, são vários projetos diferentes e que realmente são bastante utilizados pela comunidade brasileira. Sendo sincero, eu não utilizo nenhum deles hoje em dia, mas torço que para que todos sigam em frente e possam sobreviver da próxima bolha da Internet que virá dentro de pouquíssimo tempo.